Tipos e Fatores de Risco da Hérnia de Disco









A coluna é composta por 33 vértebras. Entre uma vértebra e outra estão os discos intervertebrais, cuja função é evitar o atrito entre as vértebras e amortecer o impacto, facilitando a mobilidade e a estabilidade da coluna. Os discos são constituídos por um anel resistente, que contém um material gelatinoso, chamado de núcleo pulposo.

Ao longo dos anos, o disco tende a se desgastar. Aparecem certas rupturas nos anéis, o que permite o extravasamento do material gelatinoso. Quando este material compromete algum nervo, o resultado é a dor, localizada na região onde se dá aa lesão discal e podendo irradiar para outras partes.

Você precisa conhecer o curso para Aprender o Tratamento Definitivo para Hérnia de Disco lombar. Clique aqui!

A hérnia de disco, também chamada de hérnia discal ou protusão discal,  é um problema da coluna vertebral que provoca compressão dos nervos, causando dor, fraqueza e perda de sensibilidade em um dos membros. As protusões discais  mais comuns são as hérnias lombares e as hérnias cervicais.

As hérnias de disco podem ser classificadas de acordo com sua morfologia:

 Extrusas

Ocorre perfuração do anel fibroso e deslocamento do material discal (parte do núcleo pulposo) para o interior do espaço epidural.

 Protrusas

O disco se torna saliente posteriormente, sem ruptura do anel fibroso.

 Sequestradas

No sequestro discal há rompimento da parede do disco e o líquido gelatinoso migra para dentro do canal medular, para cima ou para baixo. Estas lesões podem acarretar pressão sobre a medula espinhal, causando mielopatia, pressão sobre a cauda equina, acarretando síndrome da cauda equina ou pressão sobre as raízes nervosas. A quantidade de pressão sobre os tecidos nervosos determina a gravidade do déficit neurológico.

Conforme vamos envelhecendo, o disco intervertebral vai se tornado cada vez menos flexível e elástico, ficando mais exposto a fissuras e roturas. A maioria das protusões discais ocorre em pessoas com mais de 35 anos.

Entre os principais fatores de risco para o desenvolvimento de uma hernia discal, podemos citar:

– Trabalhos que demandam carregar pesos excessivos.
– Fazer musculação sem devida orientação, sobrecarregando a coluna.
– Levantar pesos do chão forçando a coluna (o correto não é dobrar a coluna para pegar algo do chão, mas sim se agachar para levantá-lo).
– Traumas nas costas.
– Má postura.
– Trabalhos que demandam movimentos repetitivos da coluna.
– Sedentarismo.
– Tabagismo

Na maioria dos casos, a hérnia não surge de forma aguda. Ela costuma ser um processo de estresse e lesão repetitiva do disco. Habitualmente, exceto pelos casos de hérnias que surgem após traumas ou quedas, os pacientes não se recordam de um evento específico que tenha desencadeado os sintomas. A dor pode surgir subitamente em repouso.

Existem sim situações onde a cirurgia é obrigatória, porém boa parte deles pode ser tratado com fisioterapia, Pilates, Funcional e afins. Também podemos usar técnicas como crioterapia, alívio da dor através do calor, acupuntura, terapia manual e massagens como aliados no tratamento.

Em casos de tratamento cirúrgico os tratamentos conservadores também têm papel importante. Eles estão relacionados à reabilitação do paciente e volta às atividades da vida diária.

Você precisa conhecer o curso para Aprender o Tratamento Definitivo para Hérnia de Disco lombar. Clique aqui!



Capacite-se para atender melhor os pacientes:
  • Anamnese - Passo a Passo para uma boa avaliação
  • Combo Joelho e Quadril - Cursos Online
  • Exercício para Ganho de Força Muscular: Prescrição Terapêutica

  • Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter

    Quer anunciar neste blog?
    Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

    Quer sugerir uma pauta?
    Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

    Poste um Comentário

    Tecnologia do Blogger.