A Fisioterapia na Síndrome de Colisão do Ombro










A  síndrome de colisão do ombro (SIS) é caracterizada pela presença de dor severa na região antero-posterior e lateral do ombro, que irradia para as áreas do deltóide e bicípite. Os sintomas de dor aumentam tanto durante a noite como durante o movimento de abdução, rotação interna forçada, assim como nos movimentos resistidos

É marcada pela presença de inflamação e edema, que pode levar, em casos mais graves, à degeneração da bursa e dos tendões da coifa dos rotadores no espaço subacromial. A SIS pode conduzir à ruptura total dos tendões da coifa dos rotadores e à degeneração das articulações da cintura escapular. Como consequências dessa síndrome haverá diminuição e perda da capacidade funcional.

Tipos de Colisão

Existem dois tipos de colisão (impingement): a primária e a secundária. A primária refere-se ao impacto mecânico causado por anormalidades anatômicas no espaço acromial, tais como proeminência anterior do acrômio, osteófitos a volta da região do acrômio, e anormalidades na articulação acrômio-clavicular como a hipertrofia da cápsula.

A colisão secundária refere-se ao estreitamento do espaço subacromial que se verifica em algumas situações, tais como na instabilidade da gleno-umeral e em anormalidades funcionais músculo-tendinosas. Nessas situações ocorre uma translação superior da cabeça do úmero que leva à redução do espaço subacromial.

Para além desses dois tipos de colisão é descrito também o impingement interno, que é definido como uma condição dolorosa em que se verifica conflito dos tecidos moles, incluindo a coifa dos rotadores, a cápsula articular, o tendão da longa cabeça do bicípite e o da glenóide. Esse tipo de impingement é ainda diferenciado em póstero-superior impingement (PSI) e antero-superior impingement (ASI).

Graus de Gravidade

Há três graus de gravidade de acordo com critérios clínicos e fisiopatológicos: o grau I, grau II e o grau III. O grau I é caracterizado pela presença de edema, inflamação e hemorragia na bursa subacromial e na coifa dos rotadores. Esse grau é encontrado mais frequentemente em pacientes jovens com menos de 25 anos de idade e em desportistas, devido ao uso repetitivo e excessivo do ombro em actividades acima da cabeça. Esse grau é reversível e não necessita de tratamento cirúrgico. No grau II, verifica-se alterações irreversíveis tais como fibrose e tendinopatia da coifa dos rotadores, acometendo tipicamente pacientes entre os 25 e os 40 anos de idade. O tratamento conservador neste grau nem sempre é eficaz.

O grau III é marcado por mudanças crónicas tais como ruptura parcial ou completa da coifa dos rotadores, por vezes acompanhado de ruptura do bicípite e alterações morfológicas ósseas. Essas alterações podem surgir ao nível do acrômio, da apófise coracóide e da cabeça do úmero. Esse grau é mais frequente em indivíduos com idades superiores aos 40 anos de idade e é necessário, na grande maioria dos casos, tratamento cirúrgico para resolver o problema.

A fisioterapia é, frequentemente, a primeira escolha de tratamento para a SIS, incluindo várias modalidades no tratamento, tais como a termoterapia, eletroterapia (ondas-choque, ultra-sons, laser), terapia manual e exercícios terapêutico.

O ultra-som terapêutico é um dos meios de tratamento mais comuns em lesões dos tecidos moles. Os efeitos fisiológicos dos ultra-sons se dividem em efeitos térmicos e efeitos mecânicos. Os efeitos térmicos são: o aumento do fluxo sanguíneo, a diminuição da dor, a diminuição do espasmo muscular, aumento da extensibilidade dos tecidos e a diminuição da resposta inflamatória. Quanto aos efeitos mecânicos, pode-se incluir a cavitação e o efeito de micro massagem.

A terapia por ondas de choque consiste na utilização de impulsos de ondas acústicas geradas na água, tendo origem eletrohidráulica, eletromagnética ou piezoelétrica. Essa terapia acelera os processos de cicatrização e regeneração dos tecidos músculo-esqueléticos.

A terapia através do laser é também, frequentemente, utilizada em fisioterapia. A Laserterapia de Baixa Intensidade é um termo que define a aplicação terapêutica do laser em problemas músculo-esqueléticos e reumatológicos. Os efeitos do laser são: estimular o metabolismo celular através da bioestimulação e aumento do aporte sanguíneo por vasodilatação capilar e arterial, aumento do limiar de dor, estimulação do trofismo nas terminações nervosas, analgesia e efeito anti-inflamatório

Das várias técnicas que a fisioterapia dispõe nesta patologia, é de salientar a terapia manual e os exercícios terapêuticos. A Terapia Manual é uma especialização da fisioterapia que trata de forma conservadora e compreensiva a redução da dor e disfunções neuro-músculo-articulares na coluna e extremidades. A terapia manual inclui procedimentos, tais como manipulações, massagem, tração manual e mobilização articular.


Os exercícios terapêuticos combinados com a terapia manual incluem exercícios activos (para aumentar a força ou a amplitude de movimento), exercícios posturais, alongamentos, exercícios de relaxamento e exercícios funcionais

A intervenção da fisioterapia é de primordial importância no tratamento dos pacientes com SIS. A fisioterapia dispõe de várias modalidades como recurso no tratamento dessa patologia. De todas as modalidades, é de salientar com a minha experiència profissional, que o uso da terapia manual e dos exercícios terapêuticos que demonstram ser das técnicas mais efetivas no tratamento dessa condição.




Capacite-se para atender melhor os pacientes:
  • Anamnese - Passo a Passo para uma boa avaliação
  • Combo Joelho e Quadril - Cursos Online
  • Exercício para Ganho de Força Muscular: Prescrição Terapêutica

  • Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter

    Quer anunciar neste blog?
    Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

    Quer sugerir uma pauta?
    Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

    Poste um Comentário

    Tecnologia do Blogger.