Sindrome do Escaleno








Ocasionalmente as manifestações neurológicas características da costela cervical ocorrem na ausência de uma anormalidade esquelética demonstrável. Elas têm sido atribuídas pela passagem do nervo entre a primeira costela e a clavícula (Compressão costo-clavicular) e pelo estiramento do tronco mais inferior do plexo braquial sobre a primeira costela normal. De fato, eles são devido, usualmente, á presença de um forte cordão fibroso no músculo escaleno médio o qual pode causar uma laçada do tronco mais baixo do plexo braquial demonstrável pela cirurgia.

Os sintomas

São facilmente confundidos com os de um disco intervertebral prolapsado entre C.7 e T.1. 0 tratamento deveria, dessa maneira, ser conservado em principio como no disco cervical prolapsado. Uma melhoria gradual pode amparar aquele diagnóstico. Mas se os sintomas persistem com a mesma intensidade por um longo tempo uma verdadeira síndrome do escaleno é provavelmente a causa. Neste caso pode ser justificável explorar o plexo, dividir o escaleno anterior e remover o cordão causador no escaleno médio.A disfunção do membro superior resultando na compressão do feixe neurovascular: plexo braquial, artéria e veia subclávia, quando estas estruturas passam pelo desfiladeiro torácico. Desfiladeiro Torácico - localizado na região cervical, formado pela clavícula, 1 costela torácica, escaleno anterior, médio e diversas fascias fibrosas

Leia:

Corrente faradica e a Fisioterapia
Ginastica laboral e a sua atuação
Como evitar lesões esportivas
Pilates
Espondilose Lombar


II - DESENVOLVIMENTO

2.1 ANATOMIA DO PESCOÇO


Trígono Posterior do Pescoço

Limites

- Anterior: Borda posterior do M. Esternocleidomastóideo
- Posterior: Borda anterior do M. Trapézio
- Inferior: Terço médio da Clávícula (Base)
- Ápice: Bordas do M. Esternocleidomastoídeo e Trapézio, que encontram na linha nucal superior --> Aa. Occipital passa no ápice
- Teto: Fáscia profunda (acima estão Fáscia superficial, Platisma, Veias Superficiais, N. Cutâneos e Pele)
- Assoalho: (De cima par baixo) Mm. Esplênio da Cabeça, Levantador da Escápula, Escaleno Médio, Escaleno Posterior

Conteúdo

V. Jugular Externa

- União das Vv. Retromandibular (ramo posterior) e Auricular Posterior --> Cruza M. Esternocleidomastóideo --> Trígono Posterior do pescoço --> V. Subclávia
- Drena couro cabeludo e face

A. Transversa do Pescoço

- A. Subclávia --> Tronco Tireocervical --> Acima da clavícula, Profundamente ao M. Omo-hióideo e Posterior a Borda Lateral do M. Escaleno anterior
- Supre Mm. da região Escapular

A. Supra-escapular

- Tronco Tireocervical
- Supre Mm. Supra e Infra Espinhais

A. Occipital

- A. Carótida Externa --> Ápice do Trígono Posterior --> Ascende sobre a face posterior da Cabeça
- Supre metade posterior do Couro Cabeludo

N. Acessório

- Segue em sentido Póstero-inferior entre Mm. Esternocleidomastóideo e Trapézio lhes enviando ramos motores

Plexo Cervical (C1 - C4)

- Emerge no ponto médio da borda posterior do M. Esternocleidomastóideo --> Divide-se em vários ramos
--> N. Occipital Menor (C2-C3): Ramo mais superior --> Supre pele do pescoço e couro cabeludo atrás da orelha e parte superior da orelha
--> N. Auricular Magno (C2-C3): Abaixo do N. Occipital Menor --> Ascende verticalmente em direção à Parótida --> Supre a pele do pescoço e uma área sobre a parte Inferior da Orelha até Processo Mastóide
--> N. Transverso do Pescoço (C2-C3): Cruza transversalmene o M. Esternocleidomastóide --> Pele do trígono anterior do pescoço
--> Nn. Supraclaviculares (C3-C4): Ramos lateral, intermédio e medial --> Pele do pescoço, tórax e ombro --> Articulações Acrômio-clavicular e Esterno-clavicular

N. Frênico (C3-C4)

- Segue inferiormente --> Borda lateral do M. Escaleno Anterior --> Face anterior do M. Escaleno Anterior --> Entra no tórax cruzando A. Torácica Interna entre A. e V. Subclávias
- Suprimento motor do Diafragma

Parte supraclavicular do Plexo Braquial

- Anteriormente ao M. Escaleno Anterior

Músculos

- M. Esplênio da Cabeça
- M. Levantador da Escápula
- Mm. Escalenos Médio e Posterior
- M. Omoióideo

Linfonodos

- Linf. Parotídeos, Occipitais, Mastóideos --> Linf. Jugulares Profundo e Superficiais --> Linf. Supraclaviculares

Subdivisões do Trígono

- Divididos pelo M Omoióideo em Trígono Occpital (Superior) e Supraclavicular (Inferior)
- Trígono Occipital: Em seu ápice encontra-se a A. Occipital --> N. Acessório é o mais importante
- Trígono Supraclavicular: Fossa supraclavicular --> Superficialmente V. Jugular Externa e A. Supraescapular --> Profundamente A. Subclávia

Trígono Anterior do Pescoço

Limites
- Anterior: Linha Mediana do Pescoço
- Posterior: Borda Anterior do M. Esternocleidomastóideo
- Superior: Borda inferior da Mandíbula
- Base: Borda inferior da Mandíbula e Linha entre ângulo da Mandíbula e Processo Mastóide
- Ápice: Incisura Jugular
- Assoalho: Faringe, Laringe e Glândula Tireóide

Artérias da Raiz do Pescoço

* Tronco Braquiocefálico
- Posteriormente ao centro do Manúbrio --> Aa. Carótida Comum e Subclávia Direitas
- Coberto pelos Mm. Esternohióideo e Esternotireóideo
- Pode presentar ramo A. Tireóidea Mínima

* Aa. Subclávias
- Suprem Membros Superiores com ramos para Pescoço e Encéfalo
- Cruzadas anteriormente pelos Mm. Escalenos Anteriores --> Divide em porções Medial, Posterior e Lateral
- Emite ramos:
--> A. Vertebral: 1a porção Face posterior da A. Subclávia --> Forames transversos C6-C2 --> Forma A. Basilar no Crânio
--> A. Torácica Interna: Face anterior da A. Subclávia --> Desce paralela ao externo --> Ramos para 6 primeiros E.I.C.
--> Tronco Tireocervical: Origina-se da 1a porção da medialmente ao M. Escaleno Anterior
--> A. Tireóidea Inferior: Polo inferior da tireóide
--> A. Supra-escapular: Músculos ao redor da escápula
--> A. Transversa do Pescoço: Mm. do Trígono Cervical Posterior
--> Tronco Costocervical: Face posterior da A. Subclávia --> Segue para cima e para trás sobre a Pleura cervical --> Aa. Cervical Profunda e Intercostal Suprema --> 2 primeiros E.I.C.


2.1.1 Origem do Plexo Branquial

O Plexo Braquial é formado por raízes cervicais C5, C6, C7, C8 e T1. As raízes C5 e C6 unem-se para formar o tronco superior do plexo braquial. A raiz C7 forma o tronco médio do plexo braquial. As raízes C8 e T1 unem-se para formar o tronco inferior do plexo braquial. Os troncos superior, médio e inferior se dividem em ramos anterior posterior

2.1.2 Artéria Subclavia

A artéria subclávia E nasce diretamente do arco aórtico. A artéria subclávia D se origina do tronco baquiocefálico, que é um ramo do arco aórtico. Ela se inicia atrás da articulação esterno-clavicular, abaixo e posterior ao ponto de inserção do escaleno anterior, passando até a axila. Neste trajeto a artéria fica angulada em dois pontos: Sobre a 1 costela torácica e Atrás do tendão do músculo escaleno anterior.
É importante afirmar que a artéria subclávia pode se encontrar estenosada de modo permanente quando passa entre os músculos escalenos, o que justifica na mesma patologia possíveis complicações vasculares periféricas do membro superior.





2.2. ETIOLOGIA SINDROME DO ESCALENO

2.2.1 Causa de origem não Ocupacionais

Lesões abertas:
traumatismos por arma, explosão ou outros objetos perfurantes, lesões do plexo por procedimentos cirúrgicos da região torácica.

Lesões fechada:
contusões na região do plexo (acidentes desportivos, paralisia por mochila.

Lesões secundária a outra patologia:
seqüela de fratura de clavícula ou primeira costela torácica. Pode ocorrer pela mesma força que produziu o traumatismo ou

estar associada ao calo ósseo excessivo que pode reduzir o espaço costoclavicular e predispor à aparição tardia de uma compressão nervosa.

Lesões por tração:
paralisias obstétricas, traumatismos cervical e de ombro pós- acidente automobilístico, paralisias pós- anestésicas devido à distensão ou compressão do plexo durante a cirurgia (má postura mo membro em posições de extremas de abdução e rotação, durante períodos prolongados na cirurgia.

Alterações anatômicas:
inclinação da primeira costela, que causam diminuição do espaço no forame escaleno anterior durante a passagem do plexo braquial e artéria subclávia.

Aumento de fascias
fibrosas localizadas entre os músculos escalenos e por toda extensão do desfiladeiro torácico levam à uma irritação do plexo braquial.

Anomalias ósseas:
costela cervical ou união cérvico-torácica que incluem a primeira costela torácica (ambas podem levar a alterações neurológicas ou vasculares.

A prática diária demonstra que a presença de costela cervical ao RX não é sinal de síndrome do desfiladeiro torácico, é necessário que exista o esforço repetitivo para que ela desencadeie os sintomas.


2.2.2 Causas de origem Ocupacional

A síndrome chamada de hiperabdução está intimamente relacionada a atividades que exijam longos períodos com os braços elevados acima dos ombros abduzidos e empregando força.
Nestas situações, o eixo neurovascular pode ser comprimido na axila sobre o tendão do peitoral menor e o processo coracóide, com sintomas de dor, parestesia e adormecimento nas mãos.
Além disto, o plexo braquial e a artéria subclávia podem também ser comprimidas quando passam pelos músculos escalenos anterior, médio e a primeira costela, devido a movimentos repetitivos, posturas inadequadas no trabalho e/ ou trabalho que exija esforço para carregar peso.


2.3. SINAIS E SINTOMAS

Sintomas neurológicos (90%): inicialmente dor difusa que pode irradiar da coluna cervical para o braço e mão, sensação de peso que também se irradia da região subclávia e ombro para todo membro superior, hiperestesias são migratórias e parestesias principalmente no bordo interno do braço, antebraço, metade cubital da mão e 4o e 5o dedos. Trigger points na cintura escapular.

Sintomas vasculares (10%): edema (congestão venosa), alteração da coloração da mão de acordo com a posição, mão pode ficar pálida e cianótica quando elevada, fria e adormecida e rígida, o antebraço dor difusa. Estas queixas são agravadas pelo exercício ou quando o membro está frio, e melhorem com o calor. A sintomatologia neurovascular depende da freqüência e do grau de duração da compressão da artéria subclávia e/ou plexo braquial.

A sintomatologia neurológica inicia com os transtornos sensitivos e posteriormente aparecem os motores (hipotrofia e diminuição de força muscular).

Os transtornos vasomoters e as alterações tróficas acometem mais o lado radial e os dedos indicador e polegar.

Situações que agravam os sintomas neurológicos:

Água e ambiente frio;

Transporte de objetos pesados;

Tração sobre o braço ou ombro;

Posturas inadequadas;

Hiperabdução do membro superior.



2.4 AVALIAÇÃO


Inspecionar a posição e a postura ocupada pelo membro superior ou ombro ao entrar no consultório:

Investigar:

Queixa principal : Dor aguda ou crônica e o Local aumenta ou diminui com o movimento/repouso (que movimentos)

Causa: ocupação (tipo e como é realizada), má postura, movimentos repetitivos

Exames Complementares:

- Eletromiografia (estudo de condução nervosa);

- Rx coluna cervical e ombro;

- Eco-Dopler da artéria subclávia; Provas laboratoriais.

Diagnóstico Diferencial:

- Hérnia de disco cervical;
- Patologia cervical degenerativa;
- Patologias do ombro (lesão do manguito rotador);
- Outras síndromes compressivas do membro superior; Tumores expansivos do ápice pulmonar.



2.4.1. Exame Físico


Palpação: localizar Trigger Points;

Teste de Adson;

Teste de Ross;

Teste de Wright:

Compressão costo clavicular;

Contraturas musculares

Diminuição de força (casos avançados);

Hipotrofia muscular dos intrínsecos da mão (casos avançados).


2.4.2. Testes específicos

C5

Reflexo: bicipital;

Sensibilidade: região lateral do braço;

Motor (bíceps e deltóide): V do cotovelo c/ supinação, abdução;

Deltoíde (n. axilar) e bíceps (n. músculo cutâneo) C6


Reflexo: braquio-radial;

Sensibilidade: região lateral do antebraço, polegar e indicador;

Motor (bíceps e extensores de punho): V do cotovelo, / punho;

Extensor radial longo e curto do carpo, extensor ulnar do carpo (n. radial) e

bíceps (n. músculo cutâneo);

C7

Reflexo: tricipital;

Sensibilidade: dedo médio;

Motor (tríceps, V de punho, / de dedos): / cotovelo, V punho, / dedos;

Tríceps (n. radial), V radial do carpo (n. mediano) e ulnar do carpo (n. ulnar), /

comum dos dedos e do mínimo, / próprio do índex (n. mediano);

C8

Reflexo: Æ

Sensibilidade: anular e médio;

Motor (V dedos): V dedos;


Flexor superficiais dos dedos (n. mediano), flexor profundo dedos (n. ulnar e

radial)

T1

Reflexo: Æ

Sensibilidade: região medial do braço;

Motor (abdutor dedos): abdução dedos;

Interósseos dorsais e abdutor do 5° dedo (n. braquial-cutâneo);



2.5 Tratamento Medico

Tratamento Médico

Depende da identificação da causa da compressão neurológica ou vascular.

Conservador

Repouso da atividade que determinou o aparecimento da SDT;

Analgesia adequada (corticóide quando indicado);

Vitamina B6 por período prolongado (indicado para tratar a neurite que se instala

pela compressão);

Cirúrgico

Via supra-clavicular (escalenectomia anterior);

Via axilar (ressecção da primeira costela): em casos de costela cervical.

Não é raro retorno da sintomatologia no período pós- operatório, podendo existir

mais de um local de compressão ao longo do desfiladeiro torácico.

O tratamento conservador correto tem que ser realizado por no mínimo 6 meses

para optar pela cirurgia.


Tratamento Fisioterápico

Medidas analgésicas: TENS para dor crônica ou contratura (1Hz/ 150us);

Calor profundo;

Alongamento escalenos, trapézios, elevador escapula;

Alongamento Neuromeníngeo: membro contralateral se não for possível o

homolateral, Maitler;

Exercícios de fortalecimento cintura escapular: posteriormente;

Orientação: reeducação postural, no retorno do paciente a atividade

anteriormente executada, é fundamental recolocá-lo em atividades que não exijam

hiperabdução de membro superior ou fator desencadeante desta patologia. As

alterações ergonômicas são instrumentos fundamentais para a prevenção e o

tratamento das patologias desencadeadas pela L.E.R.


Capacite-se para atender melhor os pacientes:
  • Anamnese - Passo a Passo para uma boa avaliação
  • Combo Joelho e Quadril - Cursos Online
  • Exercício para Ganho de Força Muscular: Prescrição Terapêutica

  • Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter

    Quer anunciar neste blog?
    Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

    Quer sugerir uma pauta?
    Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

    Poste um Comentário

    Tecnologia do Blogger.