PLICA SINOVIAL PATOLÓGICA


>



A plica sinovial é um tecido embrionário presente no joelho de mais de 70% da população e que geralmente passa despercebido por uma vida inteira. No entanto se torna patológica em alguns atletas devido a grande quantidade de estresses mecânicos sofridos durante a prática esportiva, provocando a sua inflamação e espessamento causando muita dor. Pode também se irritar por excesso de uso, traumatismos (caídas, acidentes) ou por condições inflamatórias locais. Essa dor pode ser aguda, por queimação, inchaço, estalos. Com a flexão se escuta um clik (estalo). Se palpar na parte dolorosa medial que é mais freqüente.

Leia:

Corrente faradica e a Fisioterapia
Ginastica laboral e a sua atuação
Como evitar lesões esportivas
Pilates
Espondilose Lombar


O diagnóstico será mediante a história clínica, exame físico, raio X, ressonância magnética.

Nada mais é que um espessamento da cápsula articular que, se for presa (mordida) pela articulação, ela se torna inflamada e as mordidas se tornam mais freqüentes. Um tratamento visando a eliminação desse processo inflamatório é primeiramente conservador no qual o atleta é afastado de suas atividades para tratamento médico a base de antiinflamatórios visando à eliminação desse processo inflamatório e fisioterápico, com fortalecimento muscular pode resolver. Em último caso, se a dor não cessar, é indicado artroscopia para raspagem dessa plica.

Segundo o Dr. Edgard A Muñoz V. As plicas sinoviais não são elementos anatômicos recentemente descritos. A princípios desde 1919, foi descrita anatomicamente o Dr. Mayeda no Japão e posteriormente em 1939 outros japoneses, o Dr. Lino, em estudo com artroscopia. O conhecimento real das plicas, e sua significação clínica desenrolaram, realmente na década dos anos setenta, com trabalhos importantes piblicados por Hughston, Patel Dandy e Watanabe entre outros, nas clinicas ortopédicas de Norte - América. Recorda muito bem do impacto que os ortopedistas da minha geração ocasionou uma decepção desta nova entidade clínica, da qual segue sendo motivo de interesse e curiosidade para muitos colegas. São muitos pacientes com causas que se diagnostica “plica sinovial“ erroneamente, confundindo com problemas como fenômenos que desencadeia dor anterior da patela (rótula), como pode, ser uma instabilidade patelar, síndromes de hiperpressão. Condromalácia patelar de diversas patologias ou qualquer outra patologia articular. Parece importante que façamos abertura sobre o efeito protagônico que desempenham as plicas sinoviais como elementos etiológicos de uma enfermidade articular. Há poucos anos se consideravam estas bandas intraarticulares como elementos patológicos. Hoje se consideram as plicas sinoviais como elementos anatômicos normais, em razão a que se encontram dentro do joelho de uma altíssima porcentagem da população que produzem sintomas de disfunção articular. Só uns 5% dos pacientes com plica sinovial são sintomáticos. Isto implica que uma coisa é um paciente com plica sinovial e outra é um paciente com síndrome de plica sinovial, cujas diagnóstico quase se leva por exclusão.

Existem quatro tipos de plicas sinoviais: a suprapatelar (a mais freqüente), a medial, a inferior o ligamento mucoso é constante e lateral que é raríssima. A suprapatelar tem muitas formas, pode ser completa ou incompleta e está encontrada na área suprapatelar como seu nome indica. Pode se sintomática quando está perfurada, dividindo em dois a cavidade articular; isto impede o funcionamento normal do músculo genu articular e se produz em dor suprapatelar. O diagnóstico se estabelece quando a distensão da cavidade articular com solução salina, e artroscópicamente. A plica medial se origina na parede interna da articulação a nível suprapatelar e pode emergir de uma plica principal, se dirige obliqua e distalmente cruzando por sobre o côndilo femoral medial, de maneira que se interpõe entre a patela e o côndilo, para terminar na fossa intercondiliana. Esta plica medial é de maior influencia em produzir sintomas, como dor, pseudobloqueios e crepitação. Ao exame sua palpação é dolorosa e se localiza em área para-patelar interna; e a dor se atenua se apalparmos medialmente a rotula. A plica infrapatelar o ligamento mucoso, vai desde a infrapatelar a região intercondiliana e em ocasiões se divide em dois compartimentos esta área. Quando se apresenta esta eventualidade, se pode associar a menisco discóideo externo. A plica sinovial lateral é muito rara, quase uma curiosidade, se dispõe de maneira similar a medial pelo sue aspecto externo.

As plicas sinoviais tornam-se sintomáticas como conseqüência de um traumatismo direto e secundário a fenômenos de excesso de uso no desenvolvimento de práticas desportivas. A síndrome da plica sinovial se deve manejar em principio com tratamento conservador a base de repouso. O repouso consiste em suspender as atividades desportivas muitas desaparecem os sintomas. Se o problema se persistir a melhor solução é a artroscopia da plica sinovial.


1) CASO CLÍNICO – ATACANTE RECUPERA DE CIRURGIA NO JOELHO. FISIOTERAPEUTA RICARDO PEDREIRA EXPLICA.

Atacante se recupera de cirurgia no joelho. Fisioterapeuta Ricardo Pedreira explica. 06/10/2003
O atacante Cláudio já iniciou a fisioterapia para a recuperação total de uma cirurgia, a qual foi submetido na ultima sexta-feira, na clinica Day Hospital, em salvador. O jogador sofreu uma artroscopia no joelho esquerdo, realizada pelo Dr. Antonio Sergio Passos (Ortopedista), para retirada de uma “ética sinovial patológica”. No caso de Cláudio o tratamento conservador não foi o suficiente, o problema persistiu e ele teve que se submeter a artroscopia. Segundo o fisioterapeuta Ricardo, a cirurgia foi um sucesso. “A plica sinovial que se encontrava bastante espessada, foi resseccionada através de um aparelho de rádio freqüência, o qual queima esse tecido sem provocar sangramento, ajudando com que a reabilitação seja ainda mais rápida”, definiu o fisioterapeuta Ricardo. Cláudio começou a fisioterapia e deve ser entregue ao departamento de Preparação Física em torno de 15 a 20 dias.

2) CASO CLINICO – CORRELACIONAMENTO CLINICO-ARTROSCOPIA EM DIAGNÓSTICO DE PLICA SINOVIAL PATOLÓGICA DA RÓTULA.

OBJETIVO: Este trabalho se realizou com a finalidade de estabelecer a comparação entre o quadro clinico e os trabalhos artroscópicos, o diagnóstico de plica sinovial sintomática medial da rótula.

MATERIAL E MÉTODOS: De 340 procedimentos artroscópicos da rotula efetuados entre janeiro de 1996 e dezembro de 2000. O diagnóstico preparatório em 52 incluiu a surpresa de ética sinovial medial. Havia antecedente traumático em 66% dos casos. A sintomatologia mais freqüente foi: crepitação, dor. Também se estudou a comparação entre a eficácia do diagnostico preparatório realizada pelos cirurgiões ortopedistas do mesmo departamento e ética sinovial, só em 27 casos de ética se confirmou por artroscopia (52%). Nos 25 casos restantes o quadro foi produzido por outras lesões que assemelham com os sintomas de plica sinovial com lesões em menisco e foi medial ou lateral e condromalácia da rótula. Dos 27 casos diagnosticados por artroscopia, só 12 haviam sido corretamente diagnosticados clinicamente, que foram 4 de 8 revisados por cirurgiões especialistas (50%) e 8 de 19 revisados por residentes (42%) do qual não significam uma diferença significativa entre ambos os grupos.

CONCLUSÃO: observou-se que não é rotina pensar em plica sinovial como diagnóstico de primeira intenção, nem entre cirurgiões e nem entre residentes. Sem embasamento, aonde o diagnóstico, e o tratamento se tem na maioria dos casos por artroscopia, não deve abandonar a pontualidade diagnóstica da exploração clinica.

TRATAMENTO

- Fortalecimento do quadríceps, programas de estiramentos, crioterapia (três vezes ao dia) ajuda a diminuir a inflamação.
- Analgésicos antiinflamatórios não esteróides (AINES).
- Artroscopia.
Share on Google Plus

About ADMIN

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.
    Blogger Comment
    Facebook Comment