Como usar as diferentes formas de contração muscular







Quando pensamos nas fases de um programa terapêutico, sempre
relacionamos alguns exercícios que podem ser feitos e outros que devem
ser implementados. Isto porque existem técnicas que serão mais
eficazes do que as outras no que diz respeito ao momento de trabalho
do determinado segmento. A bibliografia nos traz três tipos
diferenciados de contração muscular, sendo que cada uma delas possui
sua individualidade e deve ser aplicada em uma fase diferenciada da
reabilitação. Estes três tipos são: contração isometrica (metria =
comprimento; iso = igual ou constante), contração isotônica (que pode
ser dividida em excêntrica e concêntrica) e contração isocinética
(cinética = velocidade; iso = igual ou constante).

A contração isométrica é aquela onde o músculo desenvolve tensão,
porém não há alteração em seu comprimento externo. Em outras palavras,
a contração isométrica é aquela em que o músculo contrai-se e produz
força sem nenhuma alteração macroscópica no ângulo da articulação.
Parece que o mecanismo desta contração reside no fato de que a energia
que normalmente seria exibida como trabalho mecânico externo é usada
no rearranjo estrutural das fibras, isto é, as fibras se encurtam e o
tendão se alonga, e parte da energia se dissipa em calor. Outros
estudos sobre a biomecânica da contração isométrica relatam que a
mesma acontece pois permite um deslizamento das miofibrilas mais
externas enquanto que aquelas que se encontram mais internamente
permaneceriam estáticas.

Para entendermos melhor o não encurtamento do comprimento do músculo
devemos analisar cinesiologicamente as relações de força que agem
sobre o corpo. Existe a tensão (que é a força desenvolvida pelo
músculo para vencer as forças que agem sobre o segmento) e a
resistência (que é considerada uma força externa baseada no peso do
segmento associado, principalmente, a inércia). Quando o torque de
resistência de uma articulação é igual ao torque de força produzido
pelo músculo que a atravessa, isto é, quando a resistência contra a
qual o músculo está exercendo tensão for igual a tensão máxima que
este músculo pode produzir, desenvolve-se uma contração isométrica.

Este trabalho repercute hemodinamicamente pois pode provocar um
aumento da pressão arterial pois o músculo que se contrai espreme os
vasos e diminui seu calibre aumentando assim a resistência vascular
periférica. Com este tipo de trabalho, os indivíduos tem apresentado
ganho de força moderado e, algumas pessoas, tentam manter este tipo de
trabalho para aumentar o tamanho do músculo. Ele é amplamente usado em
reabilitação e nos indivíduos descondicionados.

O maior empecilho do trabalho isométrico é a sua parca transferência
para o mundo real, visto que, a maioria de nossas atividades diárias
envolvem contrações excêntricas e concêntricas. Além disso, o
exercício isométrico apenas provoca hipertrofia do grupo muscular no
ângulo articular no qual o músculo é sobrecarregado, limitando-se,
assim, o desenvolvimento de força por toda a amplitude de movimento.
Embora soe um pouco estranho, uma outra forma de se referir a
contração isométrica é chamá-la de contração estática. A contração
isotônica ou também conhecida como contração dinâmica, é aquela que
acontece quando há uma desigualdade de forças entre a potência
muscular e a resistência provocando, assim, o deslocamento do
segmento. Ela pode ser dividida em concêntrica, que é aquela onde a
potência é maior que a resistência e a fibra muscular sofre uma
diminuição de seu tamanho (encurta-se), isto é, a origem se aproxima
da inserção e excêntrica que é aquela onde a resistência é maior que a
potência onde as fibras, por possuírem características elásticas, se
ampliam fazendo com que o ponto de origem do músculo se afaste da
inserção.

Outra maneira de se pensar em contração muscular excêntrica é pensar
que esta é uma modalidade onde o músculo se alonga durante o tempo em
que está exercendo tensão. Este tipo de contração muscular é a
modalidade de treinamento de força mais popular que existe. O
exercício é considerado isotônico quando o segmento move uma
resistência específica por uma amplitude de movimento. È importante
salientar, que a carga real imposta ao músculo varia pela amplitude de
movimento sendo diferente em todo o arco de movimento. Embora o peso
seja constante, o torque motor desenvolvido pelo músculo não é igual
devido as mudanças no comprimento-tensão e força-ângulo.

A contração isocinética é aquela em a tensão desenvolvida pelo músculo
é máxima em todos os ângulos articulares durante toda a amplitude de
movimento porque ela é realizada em uma velocidade constante. A
velocidade é controlada e a resistência é variada ao longo do arco de
movimento.

As vantagens da contração isocinética são que:

a) é capaz de obter contração máxima ao longo da amplitude total de
movimento, oferecendo maior eficiência do rendimento muscular;

b) a sobrecarga nas articulações é pois é a força produzida pelo
paciente que controla a sobrecarga imposta pelo aparelho;

c) é capaz de realizar uma gama de testes musculares através das
diferentes velocidades aplicadas e de diferentes posturas.

Finalmente, à medida que o indivíduo tenta gerar tensão máxima na
velocidade específica de contração, a tensão irá variar devido à
mudança nas alavancas e inserções musculares. O trabalho isocinético
além de trabalhar força pode trabalhar endurance melhorando assim, o
desempenho.

Bibliografia Hamill, J. & Knutzen, K. M. Bases biomecânicas do
movimento humano 1a edição, Editora Manole, 1999.

Fox, E. L. & Mathews, D. K. Bases Fisiológicas da Educação Física e
dos Desportos , 3a Edição, Editora Guanabara, 1986.

Matarazzo, Carolina G & Alves, Vania C. R. O uso do Exercício
Isocinético na Reabilitação de Luxação Recidivante de Ombro ? estudo
de caso. Revista Reabilitar, Ano 3, No 4, Editora Pancast, São Paulo.

Autor: Bianca Laufer Bass - Fisioterapeuta do Hospital Barra D Or,
Professora de Cinesiologia do IBMR, Pós-graduada em psicomotricidade
UNESA

Fonte: http://www.interfisio.com.br/index.asp?fid=43&ac=6


Capacite-se para atender melhor os pacientes:

  • Anamnese - Passo a Passo para uma boa avaliação
  • Combo Joelho e Quadril - Cursos Online
  • Exercício para Ganho de Força Muscular: Prescrição Terapêutica

  • Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter

    Quer anunciar neste blog?
    Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

    Quer sugerir uma pauta?
    Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

    Poste um Comentário

    Tecnologia do Blogger.