Fraturas por Estresse em Adolescentes








Tratamento das Lesões de Cartilagem do Joelho – Hands-on - einsteinbr

As fraturas por estresse são pequenas fraturas, as vezes nem visíveis no raio-x, que ocorrem quando o osso é submetido a cargas muito intensas ou muito repetitivas e não suporta tamanha pressão. Essa sobrecarga “fragiliza” o osso a ponto de fazê-lo trincar, quebrar.

Praticantes de esporte que contem muito impacto com certa frequência, devem se preocupar com a qualidade muscular.  Os músculos devem estar sempre fortes e resistentes para que tenham a capacidade de absorver o impacto e a energia não ficar retida nos ossos. Quando os músculos estão fatigados e não conseguem absorver todo o impacto da atividade, transferem a força extra para o osso, resultando em uma pequena rachadura. Em adolescentes esse problema é especialmente preocupante, pois pode não ser tratado da forma correta.

Uma pesquisa feita em 2011, pelo pesquisador Andrew Goodwillie (médico residente da Universidade de Medicina e Odontologia de New Jersey – Escola Médica Robert Wood Johnson) diz que "os pais devem saber que isso é um problema, e é um problema maior do que as pessoas necessariamente pensam ser". O principal sintoma desse tipo de fratura é a dor, e Goodwillie acredita que muitos médicos e pais podem ver esse sintoma como sendo apenas dores de crescimento. A boa notícia é que essas fraturas são fáceis de tratar. Um repouso de seis a oito semanas pode ser suficiente para curar o paciente.

Goodwillie e sua equipe fizeram uma pesquisa sobre o assunto. Eles receberam informações sobre fraturas por estresse submetidas por treinadores de 57 escolas americanas desde setembro de 2007 a dezembro de 2010. Os treinadores responderam questionários online sobre cada um dos casos reportados por eles. Das 230 fraturas analisadas, 189 foram sofridas por atletas, sendo que desse número 61% (115) eram meninas e 39% (74) eram meninos. Os ossos mais comumente fraturados foram: tíbia (48% dos casos), ossos longos do pé dianteiro (19%), coluna (6%), pélvis (6%), fêmur (4%).

Os médicos não sabem explicar porque as meninas sofrem mais fraturas do que os meninos. Uma das explicações possíveis é o que os especialistas chamam de 'tríade da mulher atleta', que consiste na possibilidade de que as atletas mulheres podem sofrer distúrbios alimentares, terem ciclos menstruais irregulares e osteoporose. 

Para reduzir os riscos de sofrerem fraturas por estresse, os adolescentes devem tentar substituir esportes de alto-impacto por atividades com menos choque. As meninas devem prestar atenção aos seus ciclos menstruais e procurar um médico caso eles se tornem muito irregulares.

As opções de tratamento de fraturas em adolescentes são praticamente as mesmas dos adultos (ex.: imobilizações, parafusos, placas, hastes, pinos, fixadores externos, etc.). O que diferencia é a indicação de cada tipo de tratamento. Enquanto, por exemplo, numa criança uma fratura dentro da articulação do joelho é tratada com imobilização, pinos ou parafusos; no adulto, fraturas dentro da articulação do joelho normalmente são tratadas com placas.
Fonte: WebMD 15 de fevereiro de 2011

Publicado em 01/02/12 e revisado em 05/05/20



Capacite-se para atender melhor os pacientes:
  • Anamnese - Passo a Passo para uma boa avaliação
  • Combo Joelho e Quadril - Cursos Online
  • Exercício para Ganho de Força Muscular: Prescrição Terapêutica

  • Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter

    Quer anunciar neste blog?
    Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

    Quer sugerir uma pauta?
    Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

    Poste um Comentário

    Tecnologia do Blogger.