Sindorme do Impacto posterior do tornozelo







O tornozelo é alvo frequente de sintomas durante a atividade esportiva. A dor, o inchaço e a limitação de movimentos são alguns dos sinais e sintomas mais frequentes, porém muitas causas podem ser relacionadas.

A dor na região posterior do tornozelo pode ser resultante de várias causas e nem sempre é fácil de ser diagnosticada. Dentre as causas mais frequentes podemos descrever as inflamações nos tendões (peritendinites), as bursites, as artrites e os processos degenerativos da articulação (artroses), e dos tendões (tendinoses).

A síndrome do impacto posterior do tornozelo (SIPT), também chamada de síndrome do pinçamento posterior e síndrome do "os trigonum", é mais frequente nos esportes onde o movimento de flexão forçada do tornozelo esteja presente, como na dança, no futebol, no basquetebol, no voleibol e no atletismo.

A anatomia da região posterior do tornozelo parece ser um fator chave no desenvolvimento da síndrome no esporte. O mecanismo de lesão principal é caracterizado por micro-traumatismos repetitivos gerados durante a flexão plantar forçada do tornozelo, como por exemplo durante o desprendimento do pé do solo na corrida. Outro mecanismo frequente é o impacto de maior intensidade gerado durante as torsões do tornozelo.

Ambos os mecanismos de lesão simulam a ação de um quebra-nozes sobre uma noz, onde o osso do tálus e os tecidos moles que o circundam são comprimidos entre a tíbia e o osso do calcâneo, durante a flexão forçada do tornozelo.

A síndrome pode se manisfestar como uma inflamação dos tecidos moles, como uma lesão óssea ou ambos. A lesão clássica na síndrome do impacto posterior do tornozelo, se localiza entre o osso do tálus e um osso acessório chamado de "os trigonum", caracterizando umaruptura da área de contato entre os dois ossos.

O "os trigonum" aparece entre as idades de 11 a 13 anos nos homens e 8 a 10 anos nas mulheres. Este osso acessório se forma através de um núcleo de ossificação secundária e permanence separado do osso do talus mediante uma interface de cartilagem (sincondrose). Em aproximadamente 7% da população, entretanto, o osso acessório não se funde ao tálus.

O diagnóstico clínico é obtido por especialista, baseado nas informações da história, exame clínico e demonstração da dor mediante a realização de movimentos que simulem a situação do impacto. O paciente queixa-se de dor localizada na região posterior do tornozelo, principalmente durante a  flexão máxima do tornozelo.

O diagnóstico por imagem complementa os dados da história clínica. As radiografias simples podem demonstrar a presença do "os trigonum" . A ressonância magnética complementará o diagnóstico, identificando sinais de inflamação e degeneração da região comprometida. A tomografia computadorizada e a cintilografia óssea também podem ser usadas na complementação diagnóstica.

O tratamento, inicialmente clinico, se baseia no controle da dor e da inflamação, além da diminuição dos treinamentos. A imobilização do tornozelo e a fisioterapia também podem ser indicados. Nos casos em que a dor persiste, o tratamento cirúrgico está indicado.




Capacite-se para atender melhor os pacientes:
  • Anamnese - Passo a Passo para uma boa avaliação
  • Combo Joelho e Quadril - Cursos Online
  • Exercício para Ganho de Força Muscular: Prescrição Terapêutica

  • Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter

    Quer anunciar neste blog?
    Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

    Quer sugerir uma pauta?
    Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

    Poste um Comentário

    Tecnologia do Blogger.