É impossível para um fisioterapeuta que trabalha com ortopedia trabalhar sem os testes especiais para cada região corporal. Esses te...

Testes Ortopédicos Coluna Lombo-Sacral



http://www.medicinageriatrica.com.br/wp-content/uploads/2012/04/patologia-1.jpg

É impossível para um fisioterapeuta que trabalha com ortopedia trabalhar sem os testes especiais para cada região corporal.

Esses testes especiais são responsáveis por um melhor diagnostico. Para se avaliar problemas na região da coluna lombo-sacra, há uma série de testes.

Curso online de Testes Especiais em Fisioterapia
Curso online de Fisioterapia me Cervicalgia e Lombalgia

Vamos dar exemplos de alguns:

SLUMP Teste de Posição Sentada; Teste utilizado como um instrumento de avaliação e identificação de alterações neurodinâmicas dos membros inferiores, paciente sentado o fisio pede para o paciente estender o joelho assintomático e depois o sintomático, e anote os relatos do paciente sobre a dor, depois o paciente faz uma extensão do joelho e uma flexão do tronco, e anote os relatos de dor e sinais e sintomas, depois paciente faz uma extensão do joelho, com uma flexão do tronco com uma dorsiflexão, e por fim todos os movimentos anteriores mais uma flexão do pescoço, anota os relatos de dor, e reavaliar fazendo a extensão do pescoço, e anote os relatos do paciente, positivo se a flexão do tronco, a dorsiflexão e a flexão do pescoço aumentarem os sinais e sintomas e a extensão do pescoço diminuir os sintomas.

SINAL de LASÉGUE; Teste para avaliar lombociatalgia, paciente em D.D., com MMII estendidos, fisio segurando o tornozelo do paciente flete o quadril sintomático, mantendo o joelho estendido, positivo se sentir dor lombar por volta dos 30º á 40º, com irradiação pelo MI (trajeto do nervo ciático).

SINAL de LASÉGUE - VARIAÇÃO; Teste para avaliar lombociatalgia, paciente em D.D., com MMII estendidos, fisio flete o joelho e o quadril sintomático á 90º de flexão, em seguida o joelho é estendido pelo fisio, positivo se sentir aumentar a dor lombar, com irradiação pelo MI (trajeto do nervo ciático).


T. ESTIRAMENTO N. FEMORAL(NACHLAS);Teste para avaliar sacroilite, disfunção lombossacral ou inflamação de raízes nervosas lombares (L2,L3), paciente em D.V., com os MMII estendidos, o fisio irá flexionar passivamente o joelho sintomático, aproximando o calcanhar do glúteo, positivo se sentir dor lombossacral ou dor irradiada para perna.

T. SCHOBER; Teste para avaliar a mobilidade da coluna lombar, paciente em pé com os MMII estendidos, fisio fará uma marca no processo espinhoso da quinta vértebra lombar e outra marca 10 centímetros acima, pede-se para o paciente fazer uma flexão do tronco, com os joelhos estendidos, e mede-se a distância entre as duas marcas, positivo se não ocorrer um aumento maior que 5 centímetros, indicando rigidez da coluna lombar (por exemplo; EA).

T. STIBOR; Teste para avaliar mobilidade normal da coluna, paciente em pé com os MMII estendidos, o fisio irá marcar com o lápis dermatográfico as EIPS, e o processo espinhoso da sétima vértebra cervical, com uma fita métrica mede-se a distância entre os dois pontos, e pede-se para o paciente para fazer uma flexão do tronco, e nesta posição o fisio mede a distância novamente entre os dois pontos, em um paciente que não apresente patologia na coluna, a distância medida irá aumentar em 10 centímetros, sendo assim considerada normal, positivo para medições inferiores a 10 centímetros (por exemplo; espondilite anquilosante).

T. 3 DEDO AO SOLO; Teste para avaliar a flexão global de tronco e a flexibilidade dos músculos posteriores dos MMII, paciente fará uma flexão do tronco com os joelhos estendidos, o fisio irá medir a distância do terceiro dedo da mão direita até o solo, positivo se o dedo não tocar o solo.

T. MILGRAN; Teste para avaliar patologias intra e extratecal (hérnia discal) ou pressão aumentada sobre a cintura pélvica e abdome, paciente em D.D., com os MMII estendidos, fisio pede para o paciente elevar os MMII estendidos a 5 centímetros da maca e mantê-los por 30 segundos, positivo para dor ou incapacidade de manter os MMII elevados durante o tempo determinado.

T. HOOVER; Teste para determinar se o paciente está simulando que não consegue elevar a perna, o fisio coloca sua mão embaixo do calcanhar, e pede o teste da perna retificada do lado oposto, positivo se o fisio percebe que não houve pressão sobre sua mão.

Para o fisioterapeuta que lida com essa especialidade e quer saber mais sobre Testes Ortopédicos, recomendo o Guia de Testes Ortopédicos em e-book.

Exercitar os seus pés de maneira regular não só melhor a saúde do pé  como também reduz o risco de lesão. Exercícios de flexibilidade e resi...

Exercícios para aliviar dor de pés


http://www.fotosantesedepois.com/wp-content/uploads/2015/05/dicas-uteis-para-tratar-uma-entorse-de-tornozelo.jpg

Exercitar os seus pés de maneira regular não só melhor a saúde do pé  como também reduz o risco de lesão.

Exercícios de flexibilidade e resistência também podem ajudar a manter pés saudáveis.

Exercícios de flexibilidade. Exercícios que melhoram a flexibilidade ajudam a manter a agilidade do pé e pode reduzir o risco de lesões. Não se preocupe no caso dos seus pés terem ganho em rigidez com a idade, alguns estudos mostram que não importa a idade, é sempre possível melhorar a sua flexibilidade. A maneira mais fácil de trabalhar a sua flexibilidade é através de alongamentos lentos e suaves, todos os dias, concentrando-se num só grupo muscular ao mesmo tempo.

Exercícios de resistência. Os exercícios de resistência são aqueles em que os seus músculos trabalham com algum tipo de resistência, como pesos ou bandas de exercício. Exercícios de resistência fortalecem os músculos o que, por sua vez, proporciona um maior apoio e proteção ao pé no seu todo. As bandas de exercício são parecidas com ligaduras de compressão mas arranjam-se em várias cores que correspondem ao nível de resistência que oferecem.

Exercícios de flexibilidade e resistência do pé podem ser inseridas na sua rotina diária. A maioria pode ser feita durante o seu treino. Pode haver alguns enquanto está sentado, no seu trabalho; outros requerem que se ponha de pé. Para não escorregar ou cair, é aconselhado que esteja descalço e tenha uma cadeira, uma secretária ou uma parede por perto que possa usar para algum equilíbrio. Não faça esses exercícios caso lhe doa os pés.

Antes de realizar qualquer exercício do pé, dedique algum tempo ao aquecimento e alongamento do mesmo. Caso contrário, os seus pés terão de suportar de forma súbita o peso de toda esta atividade, especialmente se for no contexto de modalidades desportivas de alto impacto como o tênis ou aeróbica. Se sofrer de artrite, diabetes, problemas cardiovasculares ou de estrutura do pé que possa afetar a sua aptidão para o exercício, aconselhamo-lo a consultar um especialista antes de começar.

Exercícios simples para alongar e fortalecer os seus pés

Trabalho de flexibilidade – Para aumentar a sua flexibilidade antes de tentar qualquer outro exercício, tente o seguinte:

1. Sente-se numa cadeira com os seus pés bem assentes no chão.

2. Levante a sua perna esquerda de maneira a que o seu pé não toque no chão e use o seu dedo grande do pé para realizar círculos no ar, rodando no sentido dos ponteiros do relógio, durante 15 a 20 rotações.

3. Troque de sentido e faça mais uns 15 a 20 círculos, desta vez no sentido contrário aos ponteiros do relógio.

4. Repita com o seu pé direito.

Planta do pé – Para alongar os músculos da parte inferior dos seus pés:

1. Ponha-se de pé com os pés juntos.

2. Dê um passo para trás com a sua perna esquerda de maneira que o seu calcanhar esteja levantado e os seus dedos dos pés façam força no chão.
Deverá sentir os músculos de baixo a puxar suavemente.

3. Mantenha-se assim durante 20 a 30 segundos.

4. Repita com o seu pé direito.

Exercícios do calcanhar – Para alongar a parte de trás do seu calcanhar:

1. Faça um laço com uma banda de exercício à volta do pé de um móvel pesada, como uma mesa ou uma secretária.

2. Sentado de frente, insira o seu pé no laço de maneira a que a banda de exercício dê a volta ao seu pé, mesmo abaixo dos dedos dos pés.

3. Puxe com a parte frontal do seu pé, fazendo flexão no tornozelo. Segure a posição por alguns segundos, e relaxe. Deverá sentir a parte de trás do seu calcanhar a esticar.

4. Faça entre 10 a 15 repetições.

5. Repita com o outro pé.

Faça Fisioterapia