Avaliação da Síndrome de Impacto do Ombro


>





A síndrome do impacto (SI) do ombro é a mais comum em indivíduos adultos.

Esta patologia caracteriza-se por uma síndrome dolorosa do ombro, normalmente acompanhada por microtraumatismos e degeneração. Também acontece o déficit de força muscular e tendinite do manguito rotador.

O diagnóstico da síndrome do impacto do ombro é baseado na tríade: anamnese, exame físico e exames de imagens.

Anamnese

Ao relatar dor no ombro, o paciente, geralmente, se queixa que a dor se propaga para o trapézio superior e para a face latero-externa do braço homólogo, sendo esta contínua ou intermitente e diária, prevalecendo durante a noite. A dor é desencadeada ou acentuada pelas atividades da vida cotidiana como movimentar os membros superiores para pentear os cabelos, vestir ou tirar blusas, camisas ou casacos e escovar os dentes, uma vez que todas essas atividades fazem movimentos de abdução e rotação, interna e externa do braço.

Exame físico

Esse exame caracteriza-se pela palpação do ombro e tendão da cabeça longa do bíceps braquial em seu trajeto dentro do sulco intertubercular do úmero e também do RX simples, o qual apresenta a "incidência de antero-posterior em rotação interna e externa axilar, ântero-posterior com 30° de inclinação caudal (para estudo da porção anterior do acrômio), (HEBERT, 2003). O exame físico é importante para o diagnostico, são realizados testes como:

Teste de Jobe – Realiza-se uma rotação interna que sensibiliza a tensão exercida sob o tendão do músculo supraespinal.

sindromeimpactodoombro-img01

Teste do impacto de Neer – Ergue-se o ombro em extensão, rotação neutra passiva e rápida. Nessa posição, o tubérculo maior arremete-se contra a face ântero-inferior do acrômio, diminuindo o impacto. A dor é um sinal de impacto subacromial ou ruptura do manguito rotador (BRITO, 2008).

sindromeimpactodoombro-img02

Teste de Neer-Hawkins – Ergue-se o ombro a 90º, e flexiona-se o cotovelo em 90º, em rotação passiva e rápida para dentro. Desse modo, o tubérculo maior é projetado contra o ligamento coracoacromial. O diagnóstico indica síndrome do impacto com tendinite do infra-espinhoso (BRITO, 2008).

sindromeimpactodoombro-img03

Teste do bíceps (speed) – Adverte-se para presença de alterações na cabeça longa do bíceps, testado através da flexão ativa do ombro em extensão e rotação externa, contra uma resistência empregada pelo profissional de saúde. Sugere a tenossinovite da cabeça longa do bíceps (BRITO, 2008).

sindromeimpactodoombro-img04

Teste de Yocum – Solicita-se que o paciente coloque a mão sobre o ombro contrário, e flexione o braço erguendo o cotovelo. Nesse movimento o tubérculo maior é desarticulado sob o ligamento coracoacromial e sob a articulação acromioclavicular. Indica lesão acromioclavicular (BRITO, 2008).

sindromeimpactodoombro-img05

Teste de queda do braço – Com Ombro e cotovelo flexionado a 90º, é realizada uma rotação externa passiva e ativa do ombro. Caso o cliente não esteja conseguindo manter, indica-se lesão grave, tendinite ou até mesmo ruptura completa do tendão do supra-espinhoso (BRITO, 2008).

sindromeimpactodoombro-img06

Teste de Yergason – Com o cotovelo flexionado a 90°. Solicita-se ao paciente realize supinação ativa contra resistência e uma rotação externa passiva do ombro, ao mesmo tempo. Indica tenossinovite e/ou subluxação da cabeça longa do bíceps.

sindromeimpactodoombro-img07

Teste de Ludington – Com as mãos na cabeça, solicita-se que o paciente realiza a contração do bíceps. Em caso de dor, indica-se que existe uma lesão na cabeça longa do bíceps. Já em caso de fraqueza ou ventre palpável distalmente, provavelmente, existe uma ruptura na cabeça longa do bíceps.

sindromeimpactodoombro-img08

Teste de Apley: O paciente deve tocar o ângulo superior da escápula contrária por trás da cabeça. Já no ângulo inferior da escápula contrária, o paciente deve passar o braço pelas costas. Em caso de dor, o teste é positivo para tendinite do manguito rotador.

sindromeimpactodoombro-img09

Teste de Relocação – O profissional de saúde posiciona o paciente em decúbito dorsal com o ombro e cotovelo abduzido a 90°, movimentando lentamente rotação externa do ombro do paciente.  Em caso de dor, o profissional deve repetir o procedimento, deslocando a cabeça do úmero posteriormente, caso haja o desaparecimento da dor o teste é positivo, indicando impacto posterior do supra-espinhoso, instabilidade anterior discreta do gleno-umeral e , em alguns casos, a ruptura do manguito rotador.

sindromeimpactodoombro-img10

Teste do Sulco – Com o ombro do paciente em posição neutra, e cotovelo flexionado a 90º, o profissional de saúde puxa o ombro no sentido caudal, o aparição de um sulco de 1cm ou mais entre o acrômio e a cabeça do úmero adverte para frouxidão capsuloligamentar (BRITO, 2008).

sindromeimpactodoombro-img11

Exames complementares
           
Os exames complementares, radiológicos, sugeridos por Neer auxiliam no quando tiradas em várias posições, pois cada uma tem a finalidade de investigar um determinado aspecto o grau de retração, degeneração muscular dentre outras lesões que podem ser associadas.

A radiografia é solicitada inicialmente por apresentar informações importantes sobre alterações ósseas, como artrose glenoumeral, esporão acomial e ascensão da cabeça do úmero em relação à glenóide (EJNISMAN et al 2008). As radiografia em antero-posterior (AP), analisa-se o achatamento, esclerose e/ou cistos subacromias no nível da  grande tuberosidade. Em AP com 30º caudal, percebe-se com clareza a presença do esporão ântero-inferior do acrômio. No contorno da escápula com 10º-15º analisa-se o formato do acrômio, certifica-se da presença do esporão acromial. Na articulação acrômio-clavicular, local de presença da dor na osteoartrose e esporões inferiores, observa-se a incidência de Zanca (AP com 10ºcefálico), (DONEUX, 1998).

sindromeimpactodoombro-img12

Na ultrassonografia é um exame, que por não ser invasivo apresenta as lesões de forma incompleta, podendo ser mais sensível quando executado por um radiologista experiente.

A ressonância nuclear magnética é o melhor procedimento de diagnóstico por imagem para avaliar as lesões do manguito rotador, pois apresenta informações objetivas sobre as condições dos tendões, na fase inflamatória ou na protrusão, indicando com precisão a extensão da retração e as condições dos músculos a serem reparados. O exame pode ser realizado com ou sem contraste.

sindromeimpactodoombro-img13

A artrografia é um procedimento invasivo que visualiza as lesões totais e parciais do manguito rotador, a qual vem sendo substituída tecnologias mais avançadas como, por exemplo, a ecografia.

Conheça esse  CURSO ONLINE onde ensina-se a reabilitar o ombro que possui o diagnóstico de Capsulite Adesiva também conhecida como "Ombro Congelado", a Síndrome do Impacto, o pós-operatório do ombro e a Fibromialgia.
Avaliação da Síndrome de Impacto do Ombro Avaliação da Síndrome de Impacto do Ombro Revisado by Faça Fisioterapia on 07:33 Nota: 5