Epifisiólise A Doença de Legg-Calve-Perthes tem causa desconhecida, acomete mais o sexo masculino, apresenta-se na idade de 4 a 9 anos, ...

Epifisiólise







EpifisióliseA Doença de Legg-Calve-Perthes tem causa desconhecida, acomete mais o sexo masculino, apresenta-se na idade de 4 a 9 anos, conhecida também como enfermidade de Perthes. Sua característica é a morte ( necrose ou infarto) da cabeça femoral.


A doença é uma afecção patológica do quadril imaturo causada por necrose da epífise óssea da cabeça femoral. A causa da necrose total ou parcial da epífise óssea da cabeça femoral imatura permanece obscura, as causas possíveis propostas incluem desequilíbrio endócrino, trauma, inflamação, nutrição inadequada e fatores genéticos. A teoria mais popular é a deficiência da irrigação arterial da epífise, com múltiplos episódios de infarto.


Doença de Legg-Calve-Perthes

Morte da cabeça femoral, onde a circulação da cabeça do fêmur, os vasos nutridores e periósteo do corpo femoral estendem-se até a altura da região trocanteriana e a parte inferior do colo, mas não contribuem para a irrigação da cabeça do osso.

A cabeça femoral tem a sua irrigação de duas fontes: Os Vasos Capsulares e os Vasos do Ligamento Redondo.

Os vasos da cápsula penetram no osso através de orifícios situados ao nível da inserção capsular, complementando o seu curso no interior do osso, ou percorrem a superfície do colo no ligamento que se reflete, da face profunda da cápsula e finalmente penetram no osso, na região sub-capsular estes vasos suprem a parte superior do colo do fêmur e grande parte da cabeça femoral.

Os Vasos do Ligamento Redondo são bem definidos nas crianças e, habitualmente permanecem nítidas, durante a idade adulta eles nutrem uma área óssea e cartilaginosa, podendo ser rompidos por ocasião de uma uma luxação traumática do quadril ou ainda podem ser usados por movimentos de rotação forçada ou manipulação da articulação as quais distendem o ligamento redondo sobre a borda do acetábulo. A cabeça do fêmur é irrigada por vasos que provem da cápsula. Se estes forem lesados por uma luxação traumática, por uma fratura alta do colo, ou por um deslocamento epifisário sobreviverá a necrose. 

Nas crianças esta complicação pode ser reconhecida nas primeiras semanas, pela densidade relativa da epífise femoral superior, a qual não sofre descalcificação por desuso . As alterações subseqüente são as que observam de um modo característico na Doença de Perthes. A proporção que se instala a revascularização e aparecem ilhotas de descalcificação a epífise adquire uma aparência de fragmentação. Só se permite a marcha, osso muito frágil despedaça-se a cabeça do fêmur.


DOENÇA DE LEGG-CALVÉ-PERTHES 

CLASSIFICAÇÃO DE CATTERALL 

* Grupo I - O envolvimento limita-se à parte anterior da epífise, não ocorre colapso, há absorção completa do segmento sem a formação de seqüestro e o pilar lateral está intacto. O resultado final é uma completa regeneração com pouca ou nenhuma deformidade.


* Grupo II - O envolvimento da epífise vai além de sua porção anterior, há colapso e formação de seqüestro, mas a altura epifisária está mantida, normalmente aparece o sinal de Gage e o pilar lateral está intacto.



* Grupo III - Neste grupo apenas uma pequena parte posterior da epífise não está envolvida, há formação de seqüestro central colapsado. Há perda do suporte do pilar lateral.



* Grupo IV - O seqüestro é de toda epífise. Há colapso total com perda de altura, indicando achatamento da cabeça e há comprometimento do pilar lateral.


CLASSIFICAÇÃO DE SALTER-THOMPSOM 

* Grupo A - A coluna lateral da epífise mostra-se preservada na radiografia em AP. No perfil, a fratura subcondral estende-se no máximo até a metade superior da epífise. 

* Grupo B - A coluna lateral da epífise mostra-se comprometida na radiografia em AP. No perfil, a fratura subcondral estende-se além da metade da epífise. 


CLASSIFICAÇÃO DE WALDENSTRÖM 

* Estágio de sinovite - demora de 1 a 3 semanas. O líquido articular está aumentado. 

* Estágio de necrose - A arquitetura óssea permanece normal, mas há aumento da densidade epifisária (área de necrose) e osteopenia metafisária. Dura de 6 meses a 1 ano. 

* Estágio de fragmentação - O osso necrosado é reabsorvido e substituido por osso viável. A epífise (área de necrose) ganha uma aparência radiográfica multifragmentada. Demora de 2 a 3 anos. 

* Estágio de seqüela - Neste estágio o osso trabecular normal substitui o osso reabsorvido (área rarefeita) na zona de necrose. 



DISPLASIA DO DESENVOLVIMENTO DO QUADRIL

CLASSIFICAÇÃO CLÍNICA 

* Luxação congênita do quadril - O quadril apresenta-se luxado. 

* Subluxação congênita do quadril - O quadril apresenta-se subluxado. 

* Instabilidade congênita do quadril - O quadril apresenta-se reduzido, porém luxável. 

* Displasia congênita do quadril - O quadril apresenta-se reduzido, porém apresenta alterações cápsulo-ligamentares e acetabulares que predispõem à luxação. 



CLASSIFICAÇÃO DE TÖNNIS 

* Grau I - Displasia do quadril com subluxação moderada. 

* Grau II - O centro de ossificação da cabeça femoral está luxado lateralmente, mas permanece inferior à borda superolateral do verdadeiro acetábulo. 

* Grau III - O centro de ossificação da cabeça femoral está luxado e apresenta-se ao nível da borda superolateral do verdadeiro acetábulo. 

* Grau IV - O centro de ossificação está superior ao nível do bordo superolateral do verdadeiro acetábulo. 


EPIFISIÓLISE FEMORAL PROXIMAL


CLASSIFICAÇÃO CLÍNICA 

* Epifisiólise aguda - A criança apresenta-se com quadro radiológico positivo. A instalação é súbita, geralmente associada a episódio de queda ou trauma e há dor importante no quadril, cuja sintomatologia tem menos de três semanas de duração. 

* Epifisiólise crônica - A criança apresenta-se com quadro radiológico positivo, inclusive já exibindo certo grau de remodelação do colo femoral. Os sintomas têm mais de três semanas de duração, são moderados e usualmente associados a claudicação. 

* Epifisiólise crônica agudizada - A criança apresenta-se com quadro radiológico positivo, inclusive mostrando mudanças no colo femoral que sugerem cronicidade. Os sintomas de dor moderada e claudicação têm duração maior que três semanas, contudo há um episódio agudo (trauma) de duração inferior que agrava sensivelmente os sintomas. 

* Pré-epifisiólise - Radiologicamente há mudanças na fise e na metáfise (alargamento da fise, osteoporose, cistos metafisários, etc) contudo não há escorregamento epifisário. Os sintomas podem variar de discreta fraqueza no quadril e coxa, até dor. Deve-se procurar esta categoria especialmente em crianças com escorregamento contralateral ou sindrômicas. 

* Epifisiólise traumática - É ocasionada por trauma de alta energia, não precedido de sintomas e cuja radiologia não evidencia sinais de cronicidade. Trata-se da fratura tipo I de Salter-Harris ( deve ser desconsiderada no estudo da epifisiólise verdadeira). 


CLASSIFICAÇÃO RADIOLÓGICA 

* Grau 0 - Pré-escorregamento. 

* Grau I - Escorregamento inferior a 1/3 da epífise femoral em relação ao colo na radiografia em AP. 

* Grau II - Escorregamento inferior a 1/2 da epífise femoral em relação ao colo na radiografia m AP. 

* Grau III - Escorregamento superior a 1/2 da epífise femoral em relação ao colo na radiografia em AP. 


CLASSIFICAÇÃO DE SOUTHWICK 

* Epifisiólise leve - A diferença no ângulo cabeça-diáfise é menor que 30º. 

* Epifisiólise moderada - A diferença no ângulo cabeça-diáfise está entre 30 e 50º. 

* Epifisiólise grave - A diferença no ângulo cabeça-diáfise é maior que 50º. 



TRATAMENTO:

No tratamento o objetivo é manter a cabeça femoral esférica e dentro do acetábulo até o término da fase de cicatrização, preservando os movimentos. O tratamento essencial deve proteger a cabeça necrosada contra a compressão até que a revascularização e a renegeração sejam completas. O apoio precoce do peso é o pior tratamento, por que fratura o osso. O sub-condral rompe a superfície articular. Um aparelho em espica não apresenta valor particular e permiti que o doente ande com ele, deixará de Ter qualquer valor, mesmo a tala bifurcada ambulatória é ineficaz. O paciente precisa ser mantido no leito e o membro deve ser tracionado. A tração deve ser contínuo até que a revascularização seja completa e habitualmente prolonga-se de 18 meses a 2 anos. Durante os 1ºs meses enquanto a articulação está irritada e há espasmo muscular e tendência a deformação por flexão e adução, o quadril é também imobilizado em abdução . Nos primeiros 12 ou 18 meses, continua-se com a tração por meio de extensão com pesos, ligando o membro aos pés da cama levantando estes e encorajando os movimentos ativos do quadril. Quando o osso aparentemente denso , passa da fase de fragmentação à calcificação completamente uniforme abandona-se a tração . Nos próximos meses o paciente fará exercícios cada vez mais enérgicos, mas sem se apoiar sobre a perna e aumentando progressivamente a duração dos mesmos. Finalmente após 2 anos permite-se que o paciente se apóie sobre o membro sem proteção.



TRATAMENTO CONSERVADOR OU CIRÚRGICO

Conservador:

* Uso de Muletas
* Fisioterapia
* Aparelho de Abdução Articulado
* Medicamentos
* Repouso

obs.:Depende do tratamento indicado. Para crianças sob observação devem ser evitados atividades e exercícios de impacto nos quadris (saltar, correr). Elas devem levar uma vida escolar normal e participar em todas as outras atividades que não impliquem em suportar pesos excessivos.


Cirúrgico:

* Abaixamento do Teto Acetabular
* Osteotomias Varizantes Ou Valgizantes


Qual a evolução a longo prazo?

Depende da extensão é do envolvimento da cabeça femoral (quanto menor, o prognóstico é melhor) como também da idade da criança (o prognóstico é melhor se mais jovem que 6 anos). A duração do processo, da fragmentação à regeneração leva entre 12 e 18 meses. Em geral, o prognóstico a longo prazo é bom na maioria dos casos.

Depende do tratamento indicado. Para crianças sob observação devem ser evitados atividades e exercícios de impacto nos quadris (saltar, correr). Elas devem levar uma vida escolar normal e participar em todas as outras atividades que não impliquem em suportar pesos excessivos.


CONCLUSÃO:

Necrose asséptica da cabeça femoral é uma doença de degeneração do quadril onde a porção arredondada do maior osso da perna perde parte da sua irrigação sangüínea e morre. As deformidades na função articular pode ser causado por uma história prévia de trauma ou não é válido lembrar que esse tipo de Doença de Perthes existem vários tipos de alternativas para retardar como o uso de antiinflamatórios, fisioterapia e bengalas, até chegar ao ponto de cirurgia. 

Os resultados depois de uma cirurgia é satisfatória , fazendo com que o paciente consiga voltar a ter uma capacidade ativa de viver.



Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter



Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

Através deste curso, você terá acesso aos mais atuais protocolos de Avaliação e Tratamento da chamada Fisioterapia Contemporânea, dentre eles: Termografia Clínica, Análise computadorizada de biomecânica, Estabilização segmentar, ventosaterapia, pilates e liberação miofascial. Clique aqui

O curso de Fisioterapia Ortopédica e Traumatológica contém informações detalhadas sobre o funcionamento e composição do sistema musculoesquelético, os tipos de lesões que podem afligi-los e as formas de tratamento. Clique aqui
>

Poste um Comentário

Faça Fisioterapia