A utilização de cinesioterapia e eletroterapia na luxação ombro










1 Introdução

Este texto refere-se ao atendimento realizado na Clínica Escola de Fisioterapia da Unisul (Universidade do Sul de Santa Catarina), pelo acadêmico autor deste artigo, à paciente L.B.M, 42 anos, branca, cabeleireira, residente na cidade de Tubarão – SC. Foram realizados alguns testes para saber quão íntegro encontravam-se os músculos do ombro.

A redução do quadro álgico foi avaliada com o auxílio de um quadro de dor adaptado da tabela de Mc'Gill. A amplitude de movimento do ombro acometido (esquerdo) foi avaliada com o auxílio do goniômetro mensurando as angulações dos movimentos deste complexo articular. Foi analisada a capacidade de suporte da intensidade da corrente do interferencial, através da passagem dos picos de suporte do interferencial tendo como objetivos a diminuição do quadro álgico e aumento da amplitude de movimento. A paciente vinha sentindo dores desde janeiro de 2002, as quais já estavam incomodando e atrapalhando suas atividades de vida diária.

Em abril de 2000, a paciente realizou uma cirurgia de histerectomia, devido a presença de nódulos no útero. No exame foi constatado a presença de um carcinoma; após realizado o procedimento cirúrgico, a paciente foi submetida a sessões de radioterapia, em Florianópolis (SC). Essas sessões de radioterapia duraram 1 (um) mês; realizaram-se novos exames e constataram ausência de células cancerígenas. Um dos motivos pela utilização de eletroterapia, foi este; apesar do controle da doença, estima-se a realização de um tratamento fisioterápico fora de qualquer risco e perigo.

Este trabalho objetivou analisar a redução no quadro álgico e, em conseqüência, o aumento na amplitude de movimento.


2 Material e Método

Para o desenvolvimento deste estudo, seguiram-se às seguintes fases:

• Aplicação das técnicas de cinesioterapia e eletroterapia, visando a redução do quadro álgico e consequentemente o aumento da amplitude de movimento;

• Análise dos resultados e conclusão;

• Exposição do trabalho à Instituição, representada pelos membros da banca examinadora;

• Observações individualizadas.

Como mencionado anteriormente, este trabalho descreve o objetivo alcançado na

Clínica Escola de Fisioterapia da Unisul, Cidade de Tubarão – SC. Teve como sujeito, a paciente L.B.M, na qual queixava-se de dores no ombro, inclusive em repouso, sendo diagnosticado mediante a aplicação de alguns testes, a SIO. O atendimento ocorreu no período de 30 de julho à 1 de setembro.

Foram realizadas avaliações no decorrer do atendimento, específicas da Síndrome do Impacto do Ombro como a: amplitude de movimento e a força do complexo articular do ombro. Eram realizados constantemente alguns testes específicos da SIO (infra-espinhoso, subescapular, Hawkins, Teste do supra-espinhoso, Neer Welsh e teste da caída do braço) , porém, os testes de caída do braço, teste de Neer Welsh, Hawkins e teste do supra-espinhoso deram positivos. Segundo Ferão (2001) refere-se a um quadro caracterizado por intensa dor no terço superior do braço, na realização dos movimentos de abdução e rotação externa. Segundo Adams; Hamblen (1994, p.237), "a dor ocorre no meio do movimento, sendo indolores o início e o fim do mesmo".

Após as avaliações foram realizados o atendimento utilizando técnicas de cinesioterapia ativa (ativa-assistida, resistida, auto-assistido e auxiliado mecanicamente, mobilizações, trações, etc.) e de terapia interferencial de média freqüência.

A paciente recebeu atendimento fisioterápico com sessões de duração de 50 minutos, 5 dias por semana, com um número total de quase 30 sessões no período do atendimento.

Após o término do atendimento da fisioterapia, a paciente foi submetida a uma nova reavaliação para verificar a redução do quadro álgico e aumento da amplitude de movimento da articulação do ombro esquerdo.


3 Resultados e Discussão

Realizado as avaliações iniciais na paciente, foram observadas na paciente redução na amplitude de movimento do ombro, devido ao intenso quadro álgico. De acordo com o mencionado, Agne (2001) descreve a disfuncionalidade em conseqüência da dor, levando a afetar as atividades de vida diária do paciente.

A dor foi analisada com o auxílio da tabela adaptada de Mc'Gill, onde a paciente marcou de acordo com a sua subjetividade 0,8cm; vale lembrar que a tabela adaptada tem 15cm. A paciente apresentava amplitude de movimento de flexão: 98°; extensão: 35°; abdução: 70°; adução: 30°; rotação interna: 30° e rotação externa: 15°. No primeiro dia de atendimento a paciente suportou uma intensidade de 20ma (miliampere) do Interferencial

Endophasis – I, marca KLD Biosistemas, UMDNS: 16-255 – ET 9702. Segundo Castro (1999), para se evitar a acomodação, deve-se aumentar a intensidade da corrente e/ou variar a freqüência até que o paciente volte a sentir a passagem da corrente. Os dados mencionados anteriormente foram colhidos no dia da avaliação (30/07/02).

Realizada a avaliação inicial na paciente, foi aplicado o tratamento, conseguindo após o término de 30 sessões, a redução no quadro álgico, onde a mesma no último dia de atendimento (1/09/02) marcou 14,2cm de redução. Observou-se o aumento da amplitude de movimento no complexo articular do ombro onde: flexão: 145°; extensão: 65°; abdução: 130°; adução: 40°; rotação interna: 75° e rotação externa: 40°. No último dia de atendimento a paciente apresentava uma intensidade de 70ma. Isto demonstra o descrito por Castro (1999) em relação a acomodação, que para evitá-la, aumentasse a intensidade da corrente ou altera-se a freqüência para o paciente voltar a sentir a corrente.


4 Conclusão

Após a realização do tratamento e feita nova avaliação para a paciente, evidenciou-se evolução no quadro disfuncional. Observou-se que a utilização da terapia interferencial e da cinesioterapia restabeleceram as funções e atividades de vida diária da paciente, obtendo reabilitação dos movimentos do ombro decorrente da redução do quadro álgico. Desta maneira, atingiu-se o esperado de reabilitar os movimentos do complexo do ombro e conseqüente redução da dor.


Referências

ADAMS, J; HAMBLEN, D. A Região do Ombro. In:Manual de Ortopedia. Tradução Patrícia Fischer. 11ed. São Paulo: Artes Médicas, 1994. p.224-245.

AGNE, J. Dor. Caderno Didático de Eletrotermoterapia. 2001. p.4-49.

CASTRO, A. Eletroterapia . In: GREVE, J; AMATUZZI, M. Medicina de Reabilitação aplicada a Ortopedia e Traumatologia. São Paulo: Roca, 1999. p.25-46.

FERÃO, M. Material Didático Aplicado à Ortopedia, Traumatologia e Reumatologia. 2001


Por: Ismael Santos Dal Bó ¹. Jaqueline de Fátima Biazus ².




Capacite-se para atender melhor os pacientes:
  • Anamnese - Passo a Passo para uma boa avaliação
  • Combo Joelho e Quadril - Cursos Online
  • Exercício para Ganho de Força Muscular: Prescrição Terapêutica

  • Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter

    Quer anunciar neste blog?
    Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

    Quer sugerir uma pauta?
    Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

    Poste um Comentário

    Tecnologia do Blogger.